Como conectar uma rede sem fio: Desempenho

Como enfatizamos em nosso blog introdutório, um melhor desempenho dos switches é um pré-requisito para pontos de acesso sem fio de alto desempenho. Simplificando, a infraestrutura cabeada precisa fornecer uma velocidade adequada para as conexões ao switch: a partir dos pontos de acesso, uplinks de agregação e switches de núcleo, e deles para a nuvem (ou datacenter). Isso é fundamental porque o desempenho será tão alto quanto o desempenho do elo mais fraco. Quando pontos de acesso com maior desempenho são importantes, o velocidade máxima dos APs simplesmente não poderá ser obtida sem uma rede adequada. Em uma rede ideal, todos os componentes – incluindo o link da Internet – são muito bem combinados para lidar com o tráfego de rede. Um gargalo em qualquer ponto da conexão entre um usuário e a nuvem (ou datacenter) diminuirá o desempenho dos aplicativos e afetará negativamente a experiência do usuário.

Vamos entender melhor o fluxo dos dados. Começando pelos dispositivos do usuário, a primeira etapa para redes cabeadas é a conexão dos pontos de acesso aos switches. Nos últimos 5 a 10 anos, a maioria dos switches de classe empresarial tinha portas de acesso de 1 Gigabit para suportar pontos de acesso com tecnologia até Wi-Fi 4 (802.11n). A taxa de transferência total possível para um ponto de acesso com Wi-Fi 4 está abaixo de um gigabit por segundo, por isso conectar um ponto de acesso a uma porta de 1 Gigabit era adequado. Qualquer coisa mais rápida não faria diferença no desempenho, já que o AP era o fator limitante.

Wi-Fi 5 (802.11ac)

APs Wi-Fi 5 (802.11ac) oferecem taxas de transferência de mais de um gigabit por segundo. De acordo com um recente relatório da Dell’Oro (de agosto de 2018), quase todos os APs corporativos vendidos a partir de 2017 eram modelos que suportavam a tecnologia Wi-Fi 5. Isso significa que a porta de acesso de 1 Gigabit estava prestes a se tornar um gargalo. De fato, os APs Wi-Fi 5 Wave 2 mais recentes são capazes de atingir 2,3 gigabits por segundo, embora o limite prático seja um pouco menor. Os testes de laboratório da Ruckus confirmaram uma taxa de transferência  de 1,5 gigabits por segundo com a tecnologia Wi-Fi 5 Wave 2; portanto, uma porta de 2,5 Gigabits seria necessária para impedir que a porta de acesso seja um gargalo, pelo menos para APs Wi-Fi 5. 

Wi-Fi 6 (802.11ax)

No entanto, a próxima geração de APs Wi-Fi 6 (802.11ax) já está disponível no mercado, com a previsão do IDC de um aumento significativo das instalações de Wi-Fi 6 (802.11ax) em 2019, e de se tornar o padrão de Wi-Fi corporativo até 2021. Isso ocorrerá porque muitas organizações ainda se encontram limitadas pelo padrão Wi-Fi 5 (802.11ac), especialmente em locais de alta densidade, como estádios, centros de convenções, hubs de transporte e auditórios.

Os pontos de acesso Wi-Fi 6 (802.11ax) instalados em ambientes de alta densidade de dispositivos, como os mencionados acima, oferecem suporte a SLAs (contratos de nível de serviço) melhores para mais usuários e dispositivos conectados simultaneamente, com perfis de uso mais diversos. Isso é possível graças a uma gama de tecnologias que otimizam a eficiência espectral, aumentam a produtividade e reduzem o consumo de energia. Entre elas, destacam-se  1024-Quadrature Amplitude Modulation (QAM), Target Wake Time (TWT), Orthogonal Frequency-Division Multiple Access (OFDMA), BSS Coloring e MU-MIMO. Com o novo padrão Wi-Fi 6 (802.11ax) oferecendo até quatro vezes mais capacidade quando comparado ao seu antecessor, é importante eliminar proativamente potenciais gargalos nos switches, e considerar equipamentos multi-gigabit.

Switches multi-gigabit para Wi-Fi 6

Devemos enfatizar que a transição para switches multigigabit para acomodar APs Wi-Fi 6 não requer necessariamente uma atualização total da infraestrutura. Isso pode acontecer gradualmente com a adição de alguns switches conforme necessário.  Além disso, a maioria dos switches multigigabit atuais inclui uma mistura de portas multigigabit e gigabit. Apenas as portas conectadas aos APs 802.11ax (Wi-Fi 6) exigem velocidades multigigabit, enquanto as outras portas gigabit são adequadas para computadores, impressoras, telefones VoIP, câmeras e dispositivos Ethernet adicionais.

Conclusão

Para aproveitar ao máximo as velocidades oferecidas pelos APs 802.11ax (Wi-Fi 6) (de até 5 gigabits por segundo), nossos clientes já começaram a instalar switches multigigabit para substituir ou complementar a infraestrutura mais antiga. Os administradores de sistema não podem garantir uma experiência de usuário de qualidade atualizando somente parte da rede (os pontos de acesso). Colher os benefícios do 802.11ax (Wi-Fi 6) requer atualizações também do lado dos switches. Em nossa perspectiva, a transição para switches multigigabit deve começar agora. Como a vida média de um switch é de 5 a 7 anos (e de até 10 anos para muitas instituições educacionais), a necessidade de conexões multi-gigabit se tornará cada vez mais presente dentro deste período.

No Comments Yet

Comments are closed